29 agosto 2009

28 agosto 2009

Raul e nós, qual a diferença?

Exatamente há 20 anos, no dia 21 de Agosto de 1989, morria em São Paulo, o famoso compositor brasileiro, Raul Santos Seixas, vítima de uma pancreatite aguda fulminante, devido a seu problema com o alcoolismo, agravada por causa do seu diabetes e por não ter tomado a insulina no dia anterior.

Raul sempre intrigava e desafiava as pessoas com suas declarações, com sua coragem, com suas “verdades”, com verdades que talvez não saberemos nunca se eram verdades. O fato é que Raul inovou, foi autêntico, foi quem queria ser. Ele declarou de si mesmo: “Eu me pertenço e de mim faço o que bem entender." Nisso ele deve ser reconhecido. Isso é o que falta pra muitos de nós, autenticidade. Mesmo porque com tantas “caras & bocas”, opções sem fim a nossa disposição, de ser e fazer, do passado, do presente e até do futuro, não sabemos mais quem somos e o que queremos ser. Uma coisa é certa, é melhor ser uma “metamorfose ambulante” do que ser uma sombra de outro. É melhor mudar e mudar sempre até se encontrar do que não tentar e por falta de criatividade tentar ser igual a outras pessoas. Talvez por isso Raul despertou tanto a admiração das pessoas, não só de sua época, mas de hoje também. Sua autenticidade é rara. E outros que como ele agiram alcançaram notoriedade que transpõe o tempo. Especialmente nesta época de tanta informação e carência de bons exemplos.

Ele foi autêntico, fez o que queria quando queria, e sofreu por vezes as conseqüências que não queria, como as conseqüência do seu alcoolismo que o levou a morte prematura. Teve quatro casamentos, relacionamentos curtos, três filhas. Ele também disse o que queria. Foi dono de frases intrigantes como: “Eu não sou louco, é o mundo que não entende minha lucidez."
O líder de seu fã club oficial, Sylvio Passos, o descreve como o cara que estava “sempre contestando, filosofando, enlouquecendo.” Assim era Raul, despojado de limites, sem lei. Ele era a sua lei. E pregava isso. Em sua música: “Quando acabar o maluco sou eu”, ele dizia, “eu sou o louco, mas sou feliz,... “ “...eu sou dono, dono do meu nariz...”. Também era corajoso. Nesta mesma música ele teve a ousadia de dizer “já pensou o dia em que o Papa se toca, e sair pelado pela Itália a cantar” e completava.. . “quando acabá, o maluco sou eu”, um maluco que muitos querem imitar. Porque? Porque vêem nele uma projeção do que desejam ser mas não têm coragem. Há muitos Raul’s por ai... enrustidos, frustrados. Sem coragem de serem autênticos.
Longe de ser uma apologia a Raul Seixas, o objetivo é nesta oportunidade é fazermos algumas reflexões.

A esta altura você pode estar se perguntando, o que isso tem a ver com o cristianismo? Eu explico. Começo com uma pergunta: Qual a diferença entre Raul, eu ou você? Pense um pouco sobre isso. Em que somos melhores? Em que somos piores? A Bíblia diz, “de tudo retenha o que é bom”. Como muitos, Raul se perdeu em seus pensamentos, assim como Salomão que também quase perdeu a salvação. Em uma espécie de constituição de sua conhecida “sociedade auternativa” ele disse que o homem tem o “Direito de viver sob a sua própria lei”. Direito tem, mas como cristãos sabemos que isso leva o homem a ruína.

Pesquisando sobre as raízes de Raul, um ponto interessante me chamou a atenção. Após seus pais terem se mudado para próximo do consulado americano por volta de 1954, o adolescente que buscava uma identidade, conheceu garotos do consulado que lhe emprestaram discos de Elvis Presley. Este foi seu primeiro contato com o Rock and Roll. Sobre isso ele declarou: “Eu ouvia os discos de Elvis Presley até estragar os sulcos. O rock era uma chave que abria as minhas portas que viviam fechadas”. Percebeu o ponto? Foi ai que o rock ganhou sua vida e seu coração e por traz disso estava o grande incentivador do rock – Satanás. A partir daí este jovem começou a se demorar nisso. Sobre isto as Escrituras alertam: “Não ame o mundo e as coisas que há no mundo, quem ama o mundo não ama a Deus” (I João 2:15). Por conseqüência ele se tornou em um instrumento nas mãos do arquiinimigo das almas.

E eu e você qual foi nosso ponto. Um dia, com certeza nos demoramos nas coisas de Deus e as amamos e isso fez de nós o que somos hoje, ou pelo menos, o que tentamos ser, homens e mulheres de Deus. Deus tenha misericórdia de nós, miseráveis pecadores.
Volto à pergunta, qual a diferença entre nós e Raul? Em essência somos iguais. Criados da mesma forma, com as mesmas características. Mas baseado no que apresentei, foi a oportunidade. Oportunidade essa que foi diferente entre nós e ele e tantos outros como ele. Mas ai me vem um outro questionamento ainda mais profundo... Somos mais privilegiados que ele? A Bíblia responde... “... Deus é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, mas que todos cheguem ao arrependimento” (II Pedro 3:9). Esse é o ponto. Todos têm oportunidades, se não as mesmas, mas todos têm. O que diferencia é a decisão. E isso é um mistério. Aqui deixou uma reflexão: Não desprezemos aqueles que não conhecem ainda a verdade, ou que não atenderam ao chamado de Deus, como se a eles fossemos superiores, porque nada somos. Não fosse a graça de Deus, que seria de nós? Mas louvado seja Deus que um dia nos alcançou e atendemos ao seu chamado.

Por
Lucas Picoli

19 agosto 2009

O importante são as pessoas

Quero falar pra vocês sobre algo que tem muito valor na vida: as pessoas. As coisas passam, bens materiais vem e vão, mas as pessoas ficam. São elas que amamos ou não, com elas nos relacionamoes, enfim, vivemos.

Assim é com Jesus Cristo. Na Sua passagem por esta Terra, os Evangelhos revelam Alguém que gostava muito de gente. Vivia rodeado de pessoas, a quem amava e queria salvar; tanto que Se sacrificou por elas! E por nós!

Você já disse ^eu te amo" pra alguém hoje? Já perdoou? Já deu um sorriso?

Fiquem na cia. de Jesus!


Thiago Camargo Leal
Agosto de 2009

12 agosto 2009

Compensa servir a Jesus!

Neste dia 22/08, completo 10 anos de batismo, se Deus permitir. 22/08/1999... foi o melhor dia da minha vida!

Mas quero falar com vocês sobre como tem sido bom estar juntinho de Jesus desde a juventude. Eu era um garoto de 17 anos, cheio de dúvidas e incertezas. Hoje sou um homem feito de quase 28 anos, e compensou passar esses 10 anos pertinho do Mestre.

Muitas têm sido as provações. Quem me conhece, sabe um pouco. Contudo, maior é o Deus em quem confio!

Como é bom viver aos pés do Senhor (Lucas 10:39)!!

Fazendo um balanço desses 10 anos, asseguro; vale a pena, queridos, seguir a Jesus! Pena? De modo algum! É só benção!

Fiquem na Cia.. de Jesus!


Thiago Camargo Leal
Agosto de 2009

03 agosto 2009

Helloooo seres UAUlísticos (como diz a May),

Para inaugurar nosso blog postamos aqui Coração Pai musiquinha beeem nafitalina do Tom de vida mas que a letra serve como uma boa reflexão pra todos nós.

As mais profundas emoções
e sentimentos
Passam sempre pelo coração do Pai
Meu Deus é terno, amoroso, sensível
Registra e sabe tudo
o que comigo vai
Minha alma sabe
o quanto quer tê-lo perto
Pois fui feito para abrigá-lo em mim
Jesus é Aquele
com quem conto mais na vida
Assim foi sempre e será até o fim

Meus desacertos, incertezas,
muitas culpas
São percebidas pelo coração do Pai
Ele espera que eu enfim
Lhe conte tudo
Mesmo sabendo o que comigo vai
Me acompanha
nos meus bons e maus momentos
É companheiro infalível no viver
Atento aos meus louvores
e aos meus lamentos
Entrego a Cristo minha vida,
meu querer